Uncategorized

Negocios en Venezuela | Eleições legislativas na Argentina impõem maior revés ao peronismo desde redemocratização

Fondo de Valores Inmobiliarios, Empresario, Businessman, Banquero, FVI, Constructor
Gobierno llama a votar en las elecciones del 21-N y entrega recomendaciones de cara a los comicios

A participação, de 71%, foi baixa em relação a eleições anteriores, nas quais superou 80%. Com o total de votos apurados, ficou com 35 senadores, de um total de 72, e a oposição com 31. Outros seis senadores independentes e de partidos menores serão, a partir de dezembro, fiéis da balança.

Notícias em imagens nesta segunda-feira pelo mundo Imigrantes se reúnem na fronteira bielo-polonesa perto da passagem da fronteira polonesa em Kuznica Foto: OKSANA MANCHUK / AFP Manifestante segura um facão falso em que se lê 'Nação e vida' durante um comício em Miami para apoiar os manifestantes antigovernamentais cubanos Foto: EVA MARIE UZCATEGUI / AFP Homem vela o corpo repatriado do imigrante curdo iraquiano Gailan Diler, que morreu enquanto tentava cruzar ilegalmente para a Europa, durante seu funeral em Arbil, capital da região curda autônoma do norte do Iraque Foto: SAFIN HAMED / AFP Alunos do jardim de infância assistem a uma aula presencial na cidade de Bogo, na província de Cebu, depois que milhares de crianças retornaram às aulas pela primeira vez desde o início da pandemia de Covid Foto: CHERYL BALDICANTOS / AFP Trabalhadores removem escombros de suposto esconderijo do Estado Islâmico após uma operação de membros do Talibã contra o Estado Islâmico-Khorasan, local do grupo jihadista, em Kandahar Foto: JAVED TANVEER / AFP Pular PUBLICIDADE O primeiro-ministro da Grã-Bretanha, Boris Johnson, cumprimenta um homem recebendo uma vacina de reforço contra a covid durante uma visita a um centro de vacinação Foto: JEREMY SELWYN / AFP Na Câmara, a Frente de Todos perdeu duas cadeiras e acabou com 118 deputados, superando por apenas dois congressistas os 116 da Juntos pela Mudança. Apertado, mas o suficiente para impedir a cruzada que a oposição tinha planejado para ficar com a presidência da casa, hoje em mãos do peronista Sergio Massa, homem de peso no governo

Com um plano emergencial batizado pela oposição de “platita” (dinheirinho), que consistiu, essencialmente, em distribuir recursos e mobilizar ao máximo seus militantes nos distritos onde foi derrotado nas Primárias Abertas Simultâneas e Obrigatórias (Paso), em setembro, o governo do presidente argentino, Alberto Fernández, conseguiu uma leve melhora no desempenho de alguns de seus candidatos nas legislativas de domingo . Não evitou, contudo, a derrota mais amarga já sofrida pelo peronismo unido desde a redemocratização do país, em 1983.

Veja mais:  Pela primeira vez, ultradireita chega ao Congresso da Argentina impulsionada por admirador de Trump e Bolsonaro

Na contagem total de votos, nas 23 províncias e na capital, a governista Frente de Todos obteve 33%, contra 42% da aliança opositora Juntos pela Mudança, integrada, entre outros, pelo ex-presidente Mauricio Macri (2015-2019) . A oposição venceu em feudos peronistas como as províncias de La Pampa e Santa Cruz (terra natal da família Kirchner), e alguns desses triunfos explicam por que o peronismo perdeu a maioria no Senado, presidido pela vice-presidente, Cristina Kirchner, após 38 anos ininterruptos de controle.

A participação, de 71%, foi baixa em relação a eleições anteriores, nas quais superou 80%. Com o total de votos apurados, ficou com 35 senadores, de um total de 72, e a oposição com 31. Outros seis senadores independentes e de partidos menores serão, a partir de dezembro, fiéis da balança.

Notícias em imagens nesta segunda-feira pelo mundo Imigrantes se reúnem na fronteira bielo-polonesa perto da passagem da fronteira polonesa em Kuznica Foto: OKSANA MANCHUK / AFP Manifestante segura um facão falso em que se lê 'Nação e vida' durante um comício em Miami para apoiar os manifestantes antigovernamentais cubanos Foto: EVA MARIE UZCATEGUI / AFP Homem vela o corpo repatriado do imigrante curdo iraquiano Gailan Diler, que morreu enquanto tentava cruzar ilegalmente para a Europa, durante seu funeral em Arbil, capital da região curda autônoma do norte do Iraque Foto: SAFIN HAMED / AFP Alunos do jardim de infância assistem a uma aula presencial na cidade de Bogo, na província de Cebu, depois que milhares de crianças retornaram às aulas pela primeira vez desde o início da pandemia de Covid Foto: CHERYL BALDICANTOS / AFP Trabalhadores removem escombros de suposto esconderijo do Estado Islâmico após uma operação de membros do Talibã contra o Estado Islâmico-Khorasan, local do grupo jihadista, em Kandahar Foto: JAVED TANVEER / AFP Pular PUBLICIDADE O primeiro-ministro da Grã-Bretanha, Boris Johnson, cumprimenta um homem recebendo uma vacina de reforço contra a covid durante uma visita a um centro de vacinação Foto: JEREMY SELWYN / AFP Na Câmara, a Frente de Todos perdeu duas cadeiras e acabou com 118 deputados, superando por apenas dois congressistas os 116 da Juntos pela Mudança. Apertado, mas o suficiente para impedir a cruzada que a oposição tinha planejado para ficar com a presidência da casa, hoje em mãos do peronista Sergio Massa, homem de peso no governo.

— O resultado é mais uma derrota do governo do que um triunfo da oposição — frisa Carlos Fara, diretor da Fara e Associados.

Para ele, “as duas alianças sofreram o impacto negativo do crescimento de um voto anti status quo , representado pelos eleitores do Avança Liberdade ( chefiado pelo deputado eleito Javier Milei ), outros libertários e da esquerda”.

No novo Congresso que assumirá em dezembro, os libertários de extrema direita terão cinco deputados e a esquerda não peronista, que tinha dois, passará para quatro. A nova Frente de Esquerda obteve 6% de todos os votos no país (mais de 1,3 milhão)

Cristina não tem mais um núcleo duro de 30%. A Juntos pela Mudança capitalizou a frustração social, mas tem enormes desafios pela frente. A eleição presidencial de 2023 tem final totalmente aberto — comenta a jornalista Mariel Fitz Patrick, do site Infobae.